Total de visualizações de página

3 de nov de 2006

APRENDIZAGEM (EPP E CURRÍCULO)


UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL


ALUNA: Elisângela Rodrigues Garcia.

DISCIPLINA: Escola, Projeto Pedagógico e Currículo.

PROFESSORA: Maria Martha.

ATIVIDADE nove: Unidade de Estudo quatro.



1-Quando o professor "ensina", sempre ocorre aprendizagem?
Não, nem sempre quando o professor ensina, a aprendizagem é uma realidade. Fiquei intrigada em relação a esta questão e resolvi então pesquisar o porquê desta minha constatação. Obtive algumas conclusões estudando o livro de Janete Terezinha de Aquino Goulart- APRENDIZAGEM E NÃO- APRENDIZAGEM.
As crianças têm algumas inibições por possuírem limitações normais em relação às funções do EU (Sexual, Alimentar, Locomoção, Trabalho). Estas limitações não são necessariamente patológicas. Estas inibições representam uma redução da função ou de uma nova operação. Algumas destas tornam-se evidentes diante de alguma determinada atividade. Com isso o EU renuncia a certas funções a fim de não produzir um novo recalcamento. Também pode acontecer que o fato de superar a dificuldade traga êxito ao Eu, o Super Eu rejeita para não criar um conflito, pois, já aceitou a sua limitação. É na medida em que a criança consegue estabelecer um laço transferêncial afetivo com o professor, que ela poderá mediante a crença que é capaz de superar as dificuldades, aceitar o ideal de EU e propor-se a aprender.

2-Relate brevemente uma situação real em que você está ensinando.
Para ensinar os pronomes pessoais pedi aos alunos que escolhessem alguns textos que tinham em seu caderno e comparassem uns com os outros, observando quem era o sujeito, quem praticava a ação do texto, quem fazia o relato e quais as palavras que identifica as pessoas nos textos analisados.
Com isso, eles foram fazendo uma lista de pronomes, mesmo sem se darem contas de que eram pronomes. Depois passei a teoria, classificando os pronomes. Pedi, então que eles fizessem esta classificação com a lista encontrada nos textos. Depois criaram um texto comentando o que haviam aprendido em relação aos pronomes pessoais e destacaram estes, colorindo-os. Como “tema de casa”, a atividade foi observar a forma com que os familiares falavam e escrever as frases ditas, aleatoriamente. No dia seguinte, estas frases foram lidas e corrigidas, quando necessárias por todos, manifestando as opiniões da forma correta de escrevê-las e falá-las.

3-Como é que você percebe que o seu aluno está aprendendo o que está sendo ensinado?
Percebo que houve aprendizagem quando há uma mudança de atitude, tanto na escrita quanto na linguagem. Quando há aprendizagem também há uma mudança na postura do aluno, onde ele se apresenta confiante em relação ao conteúdo e diante dos demais. Considero que sempre há uma aprendizagem, mesmo que não seja a proposta por mim, enquanto professora, pois as crianças apenas manifestam esta aprendizagem se possuem este desejo.

4-O que ajudou você a organizar a sua situação relatada? (conhecimentos teóricos, experiências, práticas etc.).
Partindo do princípio de que as crianças aprendem mais e com maior facilidade, se tiver sentido o que lhe é proposto como conteúdo, que têm o desejo de saber, desde que este saber lhes faça algum sentido.
Esta teoria adquiri com minha prática em salas de aulas e com os livros que estudo devido o interesse que possuo em ensinar cada vez mais e melhor, algo que faça a diferença na vida dos educandos. De forma crítica e que venha servir de suporte para que eles sejam sujeitos de suas vidas. O curso de PEAD também vem propondo algumas leituras que vêm enriquecendo meus saberes. Na medida em que estou aprendendo, vou colocando em prática. Um exemplo é a forma de comentar os conhecimentos adquiridos, é uma maneira dinâmica que desenvolve e aperfeiçoa em muitos aspectos, principalmente o de tomar conhecimento das coisas aprendidas, com isso vêm à satisfação e o entusiasmo necessários pare que haja aprendizagem.