Total de visualizações de página

8 de abr de 2013

MODELO DE LETRAMENTO E PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO NA ESCOLA: DISCUTINDO CONCEITOS, RELAÇÃO TEÓRICA X PRÁTICA.

Porto alegre, 06-04-2013

Observo em minha prática docente que alguns termos ligados ao conceito de letramento ainda são desconhecidos pelos professores, seja na educação infantil, seja em outros níveis do ensino básico. Ouve-se falar destes conceitos, as secretarias os trazem como “pincelados” em discussões nas reuniões pedagógicas, existem subsecretarias nas redes de ensino responsáveis por fazer acontecer nas práticas pedagógicas docentes nas escolas, porém, parece-me que não estão claros para “ninguém” os significados, as necessidades, a importância de se trabalhar com crianças o letramento desde os berçários, bem como, os fazeres que efetivem o desenvolvimento e aprendizagens das crianças no mundo da linguagem escrita.

É neste sentido de letramento que me refiro aqui, o letramento literário, termo o qual considero recentemente estabelecido para este fenômeno e no sentido de letramentos até mesmo, pela complexidade dos conceitos extremamente amplos (claro que para mim também, pensar a respeito é bastante recente, por isso, considero este texto uma reflexão teórica x prática).

Para Street (1984, 1993), os letramentos dependem de práticas culturais e sociais. Porém sabemos que as crianças têm chegado cada vez mais cedo nas Escolas de educação infantil, os pais e familiares ausentes detêm-se praticamente as ações de cuidados no pouco tempo em que estão com as crianças, sendo assim a Escola acaba sendo a principal, se não a única agência de letramento. Quando os fenômenos de letramentos não acontecem nem na Escola, as crianças apresentarão dificuldades durante a sua vida escolar no processo de alfabetização e interpretação de leitura escrita e de mundo. É o fenômeno em que as pessoas são alfabetizadas, porém, não letradas.

Por outro lado, não basta à criança estar e viver no meio letrado, mas é necessário participar de eventos de letramento. É necessário um mediador, sejam pessoa física ou instrumento que assuma esta função como a televisão, computador, livros e outros recursos mediadores de eventos de letramentos.

O conceito de letramento busca significar as competências de cada indivíduo, interpretação e uso da linguagem da escrita (literária) e “aqui” na educação infantil, refiro-me ao uso ideológico do letramento: “ O letramento como um conjunto de práticas sociais, enquanto sistema simbólico [...] em contextos específicos, para objetivos específicos” ( cf. Scribner e Cole, 1981).

Vale ressaltar que a Escola geralmente contempla as práticas de eventos de letramento que desenvolvem estruturas cognitivas para a construção de aprendizagens relacionadas diretamente a alfabetização, quando familiares, igrejas e lugares de trabalhos direcionam estes eventos diferentemente, cada um segundo os seus objetivos ideológicos. A estes tipos de letramentos podemos chamar de fenômenos de modelos autônomos, fechados em si mesmos. Neste sentido devemos observar enquanto agentes de letramento (professoras/ escola) que não adianta substituir os termos, mas, vivenciar uma prática docente responsável, com planejamentos e metodologias que valorizam a criança como protagonista das suas aprendizagens com práticas discursivas e argumentativas.

Sabendo que as práticas de letramento mudam segundo o contexto, na Escola basicamente por caminhos de orientações letradas, um recurso importante pode ser a diferenciação dos eventos de letramento, ou seja, situações em que o mundo da escrita constitui-se essencialmente dando sentido às situações. Posso observar que até mesmo dentro de uma mesma escola os professores trabalham de forma diferente os eventos de letramento, segundo suas concepções, faixas etárias das crianças e realidades do contexto da própria sala de aula (recursos disponíveis, por exemplo). Sito em minha prática em uma turma na faixa etária de 4 anos alguns eventos de letramento como hora do conto com a participação e autonomia das crianças na própria interpretação das histórias, busca objetivas em livros didáticos e/ou livros de literatura infantil, a leitura de imagens oportunizando a criança que ela seja a contadora da história para o grupo, identificação da editora, escritor, “quem fez os desenhos”, tipo de texto, observação da entonação em diferentes tipos de textos, falar sobre os textos, disponibilização dos livros para que a criança faça escolhas no interesse de pegá-los, proporção de atividades que oportunizam a criança exercitar a escrita considerando a psico-Gênesis da língua escrita, identificação legendada das coisas dispostas na sala, identificação por parte da criança de todos os seus pertences e “trabalhinhos” escrevendo seu nome, no nível em que compreendem a escrita deste nome e registros feitos pela professora dos processos de interpretação e aprendizagens das crianças para observação nos planejamentos e avaliação destes processos. No entanto, mais do que a proposição de eventos de letramento na Escola, se faz necessário ter uma concepção de professor mediador dos processos de aprendizagens, só assim a escola pode ser formadora de alfabetizados letrados e conscientes de sua cidadania.

É bem verdade que podemos encontrar pessoas alfabetizadas, porém não letradas que não conseguem interpretar aquilo que lêem ou até mesmo as imagens oferecidas para transmitir informações. Não são raras as vezes que encontramos até mesmo adultos que têm grandes dificuldades de raciocínio lógico e apesar de fazerem uma leitura conforme suas necessidades básicas do mundo da escrita, quando questionados de forma um pouco mais complexa, não sabem as respostas além do que os caracteres gráficos representam em sua forma simbólica. Um exemplo disso é identificarem um remédio descrito na receita pelo médico, mas, não questionarem as informações descritas na bula. Outro exemplo é lerem um jornal e acreditarem em tudo o que está escrito (“está escrito logo é verdadeiro”). É necessário educar as crianças, jovens e adultos para lerem além do que está escrito, desenvolver competências para interpretar as suas práticas, resolver problemas cotidianos, aprender a buscar as soluções, aprender a aprender e a posicionar-se enquanto indivíduos conscientes e atuantes na formação de suas próprias vidas e de transformação da sociedade em que vivem.  Elisângela Martins Rodrigues.

2 comentários:

Anônimo disse...

This piece of writing is truly a nice one it helps new web
viewers, who are wishing for blogging.

My webpage ... chi hair straightener

Elisângela Martins Rodrigues disse...

Traduzindo o comentário à cima:
Este pedaço de escrita é realmente uma agradável ajuda novo web
espectadores, que estão desejando para blogar.

Minha página ... chi hair straightener