Total de visualizações de página

3 de abr de 2008

PENSANDO A MATEMÁTICA

Trabalhamos com o Primeiro Ano do Ensino Fundamental e nesta série as atividadesde classificação e seriação são de extrema importância para o desenvolvimento cognitivo das crianças. Vou contar aqui apenas algumas das atividades que costumo propor: Coletamos o lixo do pátio da escola e com as crianças é feita a seleção do que pode ser colado no painel, primeiro pelas características aparentes como ser seco, depois os iguais são colados todos juntos para que seja visível a quantidade comparados com outros. Em seguida pelo tamanho, matéria prima etc. Feita esta seleção e classificação fica mais fácil compreender a idéia que se quer transmitir e comparar os dados que são obtidos na sequência dos tarbalhos como por ex: Que tipo de lixo é encontrado em maior quantidade? Quem são os maiores produtores deste lixo? Onde este lixo poderia ter sido colocado de forma correta e adequada?

Outra atividade que é feita seguidamente é a seleção do material de sucata que as crianças trazem de casa para serem aproveitados na construção de jogos e brinquedos. Marcamos um dia e o tipo de sucata que as crianças devem trazer e depois alas mesmas selecionam e separam este material nas caixinhas devidamente identificadas. Por ex: copinhos de iogurte, caixinhas de leite, palitos de picolé, latinhas, tampas de garrafas petis etc. Estas últimas são muito usadas em várias atividades como material de contagem, em Jogo da Velha, Jogo de damas, na construção de brinquedos etc. As crianças selecionam e classificam por cores, devido a variedade encontradas.

Um exercício que pode ser enquadrado aqui , também é o "Guarda-Guarda". Após as crianças brincarem com jogos e brinquedos em sala de aula, devem guardá-los todos novamente, cada um na sua devida caixa ou lugar e separadamente sem que haja peças de um misturadas com as outras. Pode se ainda separar formas, cores, testuras, origem, frutas, animais, objetos, seres animados dos inanimados e...etc...etc...etc...

Estas atividades conduzem à comparação, classificação, seriação e preparam para o conceito de igualdade e desigualdade. Sempre que trabalhar com os alunos, atividades neste sentido, observe as estratégias utilizadas por eles para comparar, pois algumas disposições espaciais podem dificultar nos primeiros estágios.

Outros exemplos de atividades podem ser: Distribua para cada aluno 6 canetas e 6 tampas de canetas. Pergunte:_ Há mais canetas do que tampas? Peça então, que os alunos retirem e coloquem as tampas nas canetas, em seguida, repita a pergunta. Repita esta atividade, variando os materiais e as quantidades envolvidas. Aos poucos eles vão desenvolvendo estratégias de ação e formando conceitos.

Após as atividades realizadas e o texto lido, conversamos através de e-mail e ao analisarmos a atividade um, o primeiro exercício sugerido: coleta de lixo; constatamos que este é uma prática do objetivo que “os conteúdos de matemática devem possibilitar a compreensão e a transformação do mundo”. Nesta atividade as crianças tomam consciência do lixo produzido por eles mesmos, às conseqüências e como podem evitar que este seja colocado na natureza. Com isso também exercitam a “investigação e ao desenvolvimento da capacidade de resolver problemas”, organização, interpretação e avaliação crítica. Podendo de forma imediata avaliar a validade dos resultados. Com as questões: _Que tipo de lixo é encontrado em maior quantidade?_ Quem são os maiores produtores deste lixo? _Onde este lixo poderia ter sido colocado de forma correta e adequada... É possível desenvolver o raciocínio, conceitos e procedimentos matemáticos. Pois, se pensou quantitativamente em relação ao lixo obtido e quanto diminuiria e depois, diminuiu, com a colaboração de todos. Ainda pensou-se quantitativamente em relação a que tipo de lixo é mais produzido e comparado aos demais encontrados em menos quantidade.
O que faríamos de diferente é a comunicação matemática poderia ter sido maior enfatizada como, por exemplo, a construção de um gráfico para demonstrar os resultados obtidos através da observação. Quem sabe cálculos de adição e subtração, mesmo eles sendo do primeiro ano; Em fim, uma abordagem mais numérica talvez. Também poderia ter se trabalhado “o espaço e as formas (Geometria), grandezas e medidas”. Afinal o lixo foi encontrado no pátio da escola e também possuía um peso.
Temos que concordar com Papert quando ele diz que a matemática tal qual é abordada, não se mostra às crianças como algo que possui significado. “Lembro-me de minha vida como discente e até hoje não sou simpática a matemática por nunca compreender para que ela me seria útil. Decorar os números em Romanos, decorar a tabuada, levei alguns anos e já era adulta quando entendi e compreendi que a tabuada não precisava ser decorada, mas entendida o processo da multiplicação. Depois vieram as fórmulas que eu decorei-as todas no ensino médio e passei bem nas provas de matemática sem jamais ter usado uma só fórmula daquelas para resolver qualquer problema prático e real” ( Elisângela). Pra falar a verdade a maioria de nós ainda não sabe onde e quando usar. Temos esta preocupação quando o assunto é matemático com nossos alunos, precisamos sempre ter certeza que eles compreendem onde e quando podem usar o que estão aprendendo para ajudá-los a resolver e compreender questões práticas do dia a dia.
No primeiro ano se trabalha muito com o lúdico e com recursos concretos como jogos, brincadeiras e brinquedos, Piaget afirma que “o conhecimento ocorre a partir da ação do sujeito e não a partir de cópias mentais da realidade e essa ação, que permite ao sujeito desenvolver seu conhecimento sobre um objeto”. Nosso trabalho é com base nestes conceitos e temos na medida do possível, trabalhado com nossos alunos de forma a despertarmos neles o gosto em eprender e aprender de forma crítica do meio em que vive.
O que de novo estamos aprendendo é a teoria sobre como funciona na mente da criança o desenvolvimento da lógica matemática. Esta clareza sobre classificação e seriação tem sido muito útil na compreensão de nossa prática. Faz-se necessário trabalharmos mais com exercícios de seriação e classificação para que as crianças desenvolvam a lógica através do desenvolvimento em conceituar a ordenação, classificação, comparando os resultados, desfazendo e refazendo e construindo definições.
Referências: Aprendizagem e Desenvolvimento: Experiências Físicas e Lógico-matemáticas [1]
Daniela Stevanin Hoffmann – danielahoff@gmail.com