Total de visualizações de página

26 de abr de 2008

PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDOS

PESQUISA E ESTUDOS SOBRE: HIPERATIVIDADE E RETARDO NEURO PSICOMOTOR.

Sou professora do primeiro ano do ensino fundamental e tenho um aluno "R", 6 anos, com o diagnóstico de hiperatividade, Atraso no Desenvolvimento Neuropsicomotor e Abandono
Materno. Neste sentido tenho tido muitas dificuldades e nenhum conhecimento em relação a este assunto, sendo necessário e de extrema importância para o processo de desenvolvimento e a relação professor x aluno com necessidades especiais que, eu obtenha, maior compreensão e conhecimento para trabalhar, intervir e saber agir diante desta situação.
Com este estudo pretendo saber como resolver questões e crises relacionadas à agressividade excessiva de meu aluno. O que desencadeia a agressividade? Como intervir e desenvolver o processo de aprendizagem? Como se dá o processo e desenvolvimento da aprendizagem na mente de uma criança hiperativa e com atraso no Desenvolvimento Neuropsicomotor?
Serão feito Registros de todas as informações e observações diárias em relação a esta criança.
Pretendo também melhorar minha capacidade de buscar informações que possam me ajudar em minhas dificuldades e necessidade como professora. As informações serão adquiridas através de estudos sobre o assunto nos livros, sites da internet e textos que abordam estes assuntos e a leitura de artigos que tratam do tema.
Iniciei os estudos neste momento, pretendo estar bem mais segura em relação a estes assuntos até o final do primeiro semestre de 2008. Para poder fazer as intervenções e colaborar no desenvolvimento da criança.
Uma descoberta importante que fiz é que o retardo neuropsicomotor é devido a hiperatividade sendo uma característica, um sintoma e não uma doença. O "R" não absorve as informações o que muitas vezes isso é confundido por pais e educadores como desobediência.

Sintomas do Hiperativo

A criança hiperativa tem pelo menos seis sintomas do grupo à esquerda ou seis sintomas do grupo à direita por mais de seis meses. Eles aparecem, no máximo, até os 7 anos

Grupo 1
. Não consegue enxergar detalhes ou comete erros por descuido nas tarefas escolares ou em outras atividades
. Tem dificuldade de manter a concentração em tarefas ou brincadeiras
. Parece não ouvir o que se diz a ele (a)
. Não consegue seguir uma instrução até o fim e deixa de completar trabalhos escolares ou tarefas domésticas (mas a recusa não decorre de comportamento desafiador ou da falta de compreensão das instruções)
. Dificuldades em organizar tarefas e atividades
. Evita ou reluta em iniciar tarefa que exige grande esforço mental
. Perde com frequência objetos de uso diário, como material escolar e brinquedos
. Distrai-se com facilidade por estímulos externos
. Esquece atividades cotidianas

Grupo 2
. Inquietação constante (remexe as mãos ou os pés ou se contorce no seu lugar)
. Sai do seu lugar na sala de aula ou em outras situações em que deve permanecer sentado
. Corre sem destino ou sobe em cima de móveis e objetos
. Dificuldade em se engajar em uma atividade recreativa com tranquilidade. Está sempre em movimento, age como se estivesse ligado a um "motorzinho"
. Fala o tempo todo
. Começa a responder a perguntas que ainda não foram completadas
. Tem dificuldade em esperar sua vez em jogos ou situações em grupo, interrompe a conversa de outras pessoas.
Como lidar com o hiperativo

1. Crianças hiperativas precisam de limites. A saída não é deixá-las fazer tudo, mas impor as regras sem demonstrar irritação com a dificuldade da criança em responder às expectativas.
2. É preciso repetir a mesma instrução várias vezes sem perder a paciência já que a criança hiperativa não deixa de obedecer por birra, mas porque não armazenou a informação.
3. Pais devem elogiar o que a criança faz certo. Como o hiperativo vive sendo repreendido em casa e na escola, é preciso reforçar as atitudes positivas para elevar a auto-estima.
4. Não encha o quarto de bichos de pelúcia nem de quadros nas paredes. Quanto mais "clean" a decoração, mais fácil será manter a criança concentrada.
5. Também limite o número de brinquedos disponíveis para evitar distração. Descubra quais os tipos que prendem mais a atenção dela e dê preferência a eles.
6. Quase todo hiperativo tem problema de coordenação motora. Para não se chatear à mesa, prefira copos e pratos de plástico. E evite encher a sala de bibelôs ou vasos de vidro.
7. Crianças hiperativas se adaptam melhor a escolas pequenas, com menos de 20 alunos por sala, em que o professor dá atenção individual. Evite escolas que valorizam muito a disciplina.
8. Na sala de aula, o hiperativo deve sentar-se longe da janela, de preferência nas primeiras fileiras, para diminuir as distrações.
9. Como a criança hiperativa tem dificuldade de permanecer sentada durante toda a aula, o professor deve usá-la como ajudante, pedindo que busque livros na biblioteca ou que auxilie colegas com dificuldades.
10. Atividades físicas como natação ajudam a gastar energia. Mas evite esportes que demandem grande coordenação motora, como futebol ou basquete.
Saber como agir é de fundamental importância nestes casos.
- O passo inicial para todos os pais e/ou cuidadores é o conhecimento.
Quanto mais eles estudarem, se informarem e se educarem sobre o
problema de seus filhos, mais estarão preparados para lidar com ele da
forma mais apropriada.
- O passo seguinte é conseqüência do primeiro: saber diferenciar
desobediência e inabilidade. Uma vez que os pais e/ou cuidadores
conheçam suficientemente bem o problema, eles estarão aptos a distinguir
quando a criança está sendo desobediente e rebelde, ou quando
simplesmente, não está conseguindo controlar seus impulsos e fazer o que
eles ou outras pessoas responsáveis estão pedindo.
- O próximo passo é saber dar ordens positivas. Isso vai um pouco contra o
que se aprende a fazer, de forma não espontânea, levando um pouquinho
de tempo e prática até que se acostume. (...) Se, por exemplo, seu filho está
num entra-e-sai de casa, justo no momento em que o quintal está sendo
lavado e deixa um rastro molhado sempre que irrompe porta adentro, a
reação mais provável será ralhar com ele, ordenando que pare de molhar a
casa ou que pare de correr. Está sendo dada uma ordem negativa. É bem
provável que a criança DDA obedeça por um tempo, até que se distraia e
sua impulsividade dê novamente partida para outros entra-e-sai. (...) Como
ordem positiva, poderia instruí-lo sobre secar os pés em um pano, antes de
entrar, ou brincar somente do lado de fora ou apenas do lado de dentro, de
uma forma serena e não ameaçadora.
- E o último passo é a continuidade dos anteriores e seu objetivo principal é
sempre promover o sucesso da criança. Hábitos arraigados são difíceis de
mudar, mas não impossíveis. Trata-se de abandonar o padrão antigo de
valorizar mais as atitudes negativas da criança (ela percebe perfeitamente
que chama mais atenção quando faz algo errado) e mudar para um padrão
de sempre incentivar, reforçar e promover o sucesso dela.

Fonte de estudos:"ELISANGELA CAÇADOR VIDAL
ANÁLISE COMPORTAMENTAL DA CRIANÇA
HIPERATIVA NA SOCIEDADE NA FAMÍLIA E NA
ESCOLA, COM ESTUDO DE CASO
WENCESLAU BRAZ
2006"