Total de visualizações de página

7 de abr de 2010

REFLEXÕES INICIAIS

...pensando à respeito deste instante em que, o que me é mais precioso é o tempo para pensar...acredito que, “por livre e espontânea pressão”, sou impelida a refletir sobre este momento. É muito importante parar para compreender todo o processo desta turbulência de tarefas e projeções em que me encontro. Ao mesmo tempo em que aparentemente sou insuficiente frente aos compromissos, estudar a mim mesma e meu campo de ação, acredito ser a chave para que tudo de certo.


Num primeiro momento toda a dinâmica do estágio me assusta. Tenho medo de não dar conta ou me atrapalhar nas questões burocráticas, nos registros de minha ação como docente e discente e no próprio projeto do estágio. Estou numa fase de adaptação frente às mudanças profissionais as quais estou vivenciando. Estou buscando compreender as características dos meus alunos, diferente de tudo o que já experienciei. Ainda estou estudando a fase de desenvolvimento em que meus alunos encontram-se ( 2 anos) e assim como tudo que descubro é apaixonante, também sinto-me ainda um pouco insegura. Sei que é normal num primeiro momento e que as coisas tendem a se acomodar.

Após a aula presencial onde nos foi apresentadas a professora e tutora que nos orientarão no estágio, me senti mais segura, transmitiu tranqüilidade, simplicidade, características que só quem sabe o que faz pode ter. Comentei com as colegas que, é confortante ouvir a professora Darli Collares, nos passou a idéia de sua experiência e a certeza de que podemos contar com seu profissionalismo para fazermos o melhor.
Minha maior dificuldade está sendo dar conta de tudo o que tenho que organizar para traçar o caminho para meu estágio. Sei que esta dificuldade existe por eu estar em um campo de trabalho desconhecido para mim até então. Tinha experiência no ensino fundamental, mas, na educação infantil tudo é muito novo. Confio que tudo dará certo com certeza, só tenho mesmo que me organizar e construir um esboço, traçar caminhos, “montar o esqueleto” e o processo irá se desenrolando naturalmente. Pretendo trabalhar a oralidade, algo em torno da linguagem e de como trabalhar a questão de algumas crianças ainda não falarem, outras balbuciarem sons indefinidos e outras reagirem agressivamente quando necessitam ser claras em suas solicitações. Pretendo estudar e buscar intervir neste campo, junto aos meus alunos, auxiliá-los neste aspecto de desenvolvimento. Não tenho autores definidos, mas, acredito que terei de buscar em Freud, Piaget e outros, a minha fundamentação teórica (voltaremos a falar neste assunto).

Um comentário:

Anice - Tutora PEAD disse...

Olá, Elisângela:

O desabafo e a sistematização dos planos a serem cumpridos é muito válido aqui no blog.

Refletir a respeito do teu processo de aprendizagem é fundamental no portfólio e isto auxiliará vocês para a escrita do TCC, posteriormente.

Insisto que postar sobre as inquietudes que tiveram na prática, durante a semana; o que chamou atenção; o que vocês imaginam que necessitam estudar mais e as ideias que vem surgindo são temas importantes para escrita aqui no blog, certo?

Abraço, Anice.