Total de visualizações de página

18 de abr de 2009

INCLUSÃO: TEORIA E PRÁTICA


Acima de tudo o que é necessário para se fazer inclusão, sem dúvida nenhuma é a determinação dos envolvidos, professora aluno com necessidades especiais e colegas e todos os que de uma ou outra forma fazem parte da comunidade escolar. Claro que o diferente é difícil, mas, na medida em que for aceito e acredito que esta não é mais a questão, as portas estão abertas para o processo de inclusão. Crianças com necessidades especiais necessitam e é imprescindível que estas necessidades sejam supridas diariamente. Muitas vezes são remédios que devem ser administrados diariamente; O atendimento aos médicos e profissionais em cada especialidade; necessidade de quando a deficiência é física de ajuda dos outros para locomoverem-se; Em fim, necessidades especiais requerem necessidades supridas. Uma professora sozinha em sala de aula não consegue dar conta de todas as suas responsabilidades quando dela é exigido um esforço e dedicação mais efetiva. Faz-se necessário o apoio de outros profissionais e colegas na escola que esta muitas vezes não possui.
Temos ainda enquanto professores, algumas vezes conversar com os pais e familiares a respeito de alguma deficiência e/ou possibilidades desta existir sem que os pais aceitem, é difícil para a família aceitar que têm uma criança que lhes exigirá uma forma diferente de educá-la e cria-la. Nós temos de fazer esta mediação quando detectamos comportamentos e características diferentes no desenvolvimento das crianças. Quando a diferença e as necessidades especiais são os déficits de atenção ou a hiperatividade, a situação fica mais difícil de ser encarada com o devido respeito e preocupação que merecem. Na primeira, as crianças são taxadas pelos familiares como crianças que não gostam de estudar ou “são assim mesmos porque puxaram a alguém da família”. Na segunda as crianças são mal interpretadas e tidas como bagunceiras e com problemas de disciplinas. Até os pais entenderem que precisam procurar orientações e auxílio profissional especializado, algumas crianças já carregam na bagagem vários rótulos que o seguirão por toda a sua vida.
Eu acredito que estamos em um momento de falar a respeito de, fazer o que é necessário a respeito de, mas, não estamos estruturados para nem falar e nem fazer. O momento é de luta, de arregaçar as mangas e exigir dos órgãos competentes a possibilidade de fazermos a inclusão em nossas escolas como diz a LDB/96. Nós professores somos as vozes para que a inclusão aconteça, já que somos nós parte tão importante neste processo. Pelo todo que tenho lido e estudado bem como experienciado na sala de aula, há toda uma teoria a respeito da inclusão, linda, maravilhosa, ideal e romântica. Na prática todos têm olhado para o professor para ver se a inclusão tal é descrita na lei e em toda a teoria está sendo viabilizada ou não. Tem-se esquecido de que o professor somente é o mediador no processo de integração, inter-relação e aprendizagem destas crianças com necessidades educativas especiais.
obs: POSTAGEM REFERENTE A SEGUNDA SEMANA NA PLANILHA DE ACOMPANHAMENTO DO SEMINÁRIO INTEGRADOS EIXO VI

3 comentários:

Geny disse...

Querida aluna Elisângela seu portfólio contém registros pertinentes aos seus estudos acadêmicos.
Exemplo: “As políticas antidrogas nas escolas.” Interessante se os colegas acessarem terão a oportunidade de fazerem uma boa reflexão do assunto.
Assimilando as Diferenças
• Nota-se o respeito como prioridade em seu trabalho quando se trata as diferenças culturais, assim respeitando a história de vida de cada aluno.
Inclusão: Teoria e Prática
• Deparamos-nos com um assunto novo nas escolas, que deve envolver além da comunidade escolar, também as Entidades assistências, especialistas para que as diferenças sejam trabalhadas e respeitadas adequadamente.
Obrigada por fazer os seus registros!

Almejamos sucesso empreendedor na sua vida familiar, profissional e acadêmica.

Um grande abraço,
Geny Schwartz da Silva
Tutora Seminário Integrador VI
PEAD/FACED?UFRGS

Anice - Tutora PEAD disse...

Elisângela: realmente este processo como um todo é bem difícil e não depende unicamente da vontade do professor. Depende dos recursos, dos familiares, do embasamento teórico, enfim, de diversos fatores para que essa realidade inclusiva progrida! Abraço, Anice.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,