Total de visualizações de página

20 de out de 2007

A MÚSICA EM MINHA VIDA



UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

ALUNA: Elisângela Rodrigues Garcia.
PROFESSORA: Cristina Bertoni dos Santos.
DISCIPLINA: Musica Na Escola A
ATIVIDADE: Atividade 1 - “De quem é a música?”.

Faça uma reflexão e escreva aproximadamente uma página, articulando o texto “De quem é a música?” às atividades vivenciadas na aula presencial. Reflita sobre a musica na sua vida, uma retrospectiva. Pense em momentos em que a música se fez presente e em fatos que até hoje fazem parte das suas memórias musicais com a família, os amigos, a escola ou até suas descobertas mais individuais, como por exemplo, suas preferências.

Este comentário vem complementar a postagem da atividade um, portanto não retomarei o que escrevi na primeira postagem.
Minhas lembranças de infância em relação à música não são emocionantes, lembro-me de que na casa de meus avós onde morávamos o rádio sempre estava ligado, era a primeira coisa que quem levantava primeiro de manhã cedo fazia. Ouvíamos música o dia todo e em uma rádio local AM, assim nos mantínhamos informados das notícias diariamente e no instante em que os fatos ocorriam. As músicas ouvidas eram sertanejas ou gauchescas, preferências dos adultos claro. Nunca em nenhum momento lembro-me de ter trocado a estação do rádio para ouvir uma música de minha preferência, na verdade eu nem tinha preferências musicais, talvez pelo fato de perceber até inconscientemente que “as crianças não tinham este direito”. Hoje quando alguém me pergunta que música fazia meu estilo quando adolescente, eu não tenho resposta, pois, fui despertar para a música já quando era adulta por volta dos 20 anos já casada. Percebi que e podia ligar meu rádio, ouvir meu som e no estilo musical que eu quisesse, fui aprendendo aos poucos o que gostava. Sentia-me bem e sinto-me bem ouvindo música clássica, anos 60, 70 e 80, e MPB, algumas internacionais românticas e sempre músicas que Transmitem paz e tranqüilidade, positivas nada que remete os ouvintes a depressão. Hoje sei do que gosto e ouço música freqüentemente até quando estou fazendo as atividades da faculdade, aqui no computador. Tenho muitas músicas, vários estilos e sempre que ligo o computador coloco-ás para escutar enquanto trabalho tranquilamente. Na escola em meu trabalho enquanto professora do primeiro ano, sempre que possível coloco uma música infantil para que as crianças façam as atividades propostas tranquilamente, percebi que fazendo isso as aulas tornam-se prazerosas e as crianças sentindo-se bem desempenham com mais facilidade e aprendem os conteúdos com uma maior leveza sem pressão e com alegria.
Brincadeiras e jogos vivenciados em sala de aula ou fora dela, como na hora do recreio, por exemplo, em que às vezes coloco música para as crianças, no pátio, faz com que eles fiquem mais acessíveis e menos agressivos. Reúnem-se perto do som e ficam cantando e dançando ou simplesmente olhando os demais e ouvindo a música. Esquecem a violência e neste dia ninguém se machuca. Isso é muito interessante e as crianças passam a ver a professora que colocou música para eles com olhos de admiração.
A música me acalma me dá força para resolver os problemas e muitas vezes até indica a solução para estes. Ouvir música é sempre muito bom em tom agradável aos ouvidos e relaxante para os nervos.